Patrícia Lopes se apresenta e, após depoimento sai pela porta da frente da Delegacia. Entenda o motivo

A acusada do crime de homicídio, Patrícia Lopes, de 30 anos, se apresentou na tarde desta terça-feira (06), na Delegacia de Polícia Civil para se entregar pelo crime de homicídio ocorrido no último domingo.

Curta nossa página no FACEBOOK e saiba de todas notícias de Rondon e Região

Durante seu depoimento, Patrícia confessou ter matado o próprio companheiro Anderson a golpes de faca. O crime ocorreu no domingo (04), na Av. Santos Dumont no bairro Cianortinho. Patrícia se apresentou na presença de dois advogados e na companhia de seu pai, e durante o depoimento alegou legítima defesa.

Segundo o delegado adjunto Dr. Carlos Gabriel Stecca, Patrícia disse que passou o período da tarde de domingo junto com o seu amásio ingerindo bebida alcoólica. Já durante a noite, tomado pelo ciúme doentio, ele começou a discutir com ela. Em um certo momento, Anderson Santos Pereira, de 40 anos, teria quebrado os vidros do carro de Patrícia com golpes de capacete e a agredir fisicamente a companheira. Esses detalhes foram relatados pela acusada, que ainda disse, que durante a confusão, o marido teria pego uma faca que estava na cintura do mesmo.

Eles entraram em vias de fato, e durante a briga a faca caiu no solo. Nesse momento, ela pegou a arma e desferiu os golpes contra o companheiro que teve morte instantânea.

Após cometer o crime que chocou a sociedade Cianortense, a mulher fugiu do local e horas depois pediu auxílio aos advogados que apresentaram a mesma para a autoridade policial responsável pelas investigações.

Após ao interrogatório, ela foi liberada pela autoridade policial, já que não se encontrava em situação de flagrante e, por se apresentar por livre e espontânea vontade.

Familiares da vítima compareceram na Delegacia, e após saber que Patrícia não ficaria presa, a irmã da vítima, Dayane dos Santos passou mal e teve de ser atendida por uma equipe do SAMU e encaminhada para a UPA de Cianorte. Os familiares clamam por justiça.

Dr. Carlos Stecca não descarta a possibilidade de representar junto ao poder judiciário, pela prisão da acusada.

Fonte: Noti-cia Foto: Valério Batista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *